Pular para o conteúdo principal

Catecismo: um caminho sem volta


“Se depois de termos recebido e conhecido a verdade, nós a abandonarmos voluntariamente, já não nos resta um sacrifício para expirar este pecado; só teremos que esperar um juízo tremendo e o fogo ardente que há de devorar os rebeldes” (Hebreus, 10, 26 e 27).

O abandono da fé traz consequências seríssimas segundo São Paulo: “Porque àqueles que foram uma vez iluminados, que  provaram o dom celestial, que receberam a sua parte dos dons do Espírito Santo, que provaram também a doçura da palavra de Deus e experimentaram as maravilhas do mundo vindouro, e apesar disso caíram, é impossível que se renovem outra vez para a penitência, uma vez que assim crucificaram de novo o Filho de Deus em si mesmos e o expuseram publicamente ao ridículo. De fato, a terra que recebe chuvas frequentes e fornece ao agricultor boas searas, é abençoada por Deus. Mas, a que produz só espinhos e abrolhos, é reprovada, e está perto da maldição; seu fim é ser queimada”.
São Pedro, o primeiro Papa ratifica: “Assim, se, depois de terem fugido das corrupções do mundo pelo conhecimento de Jesus Cristo, Nosso Senhor e Salvador, por elas são novamente envolvidos e vencidos, o seu segundo estado tornou-se pior do que o primeiro. Melhor lhes era não conhecer o caminho da justiça, do que, depois de o terem conhecido, tornar para trás [afastando-se] daquele mandamento santo, que lhes foi dado. Desta forma, se realizou neles aquele provérbio verdadeiro: Voltou o cão ao seu vômito”; e: “A porca lavada tornou a revolver-se no lamaçal” (2 Pedro, 2, 20 a 22).
Essas passagens bíblicas afirmam que não é possível voltar atrás após iniciarmos na Verdade Católica. Não existe um desvio ou uma terceira via nesse caminho. Pela doutrina católica,  seguimos direcionados à eternidade. Qualquer desvio leva ao abismo. Não deveríamos crer em Deus se suas verdades não fossem absolutas. Seria perda de tempo. Virar as costas para a verdade estampada no Catecismo da Igreja Católica após conhecê-la, é como gritar um sonoro não para Deus. Eis aqui um pecado contra o Espírito Santo que não tem perdão, ou seja, negar conscientemente a verdade revelada pelo Magistério da Igreja.
Hoje, a negação dessa verdade revelada raramente é expressa de forma explícita, mas quase sempre de uma forma sorrateira, semelhante a uma infiltração advinda de múltiplas interpretações teológicas que distorcem os ensinamentos da Igreja de Cristo e dos apóstolos. Teólogos modernistas, adoecidos pela mente revolucionária, contaminam dogmas pétreos com pensamentos relativistas, que usurpam do trono de Deus o fogo sagrado da sabedoria para se colocar ali as brasas dos desejos humanos. Estes desejos são os novos deuses que se multiplicam em inúmeras atrações mundanas e cobram cada vez mais adoradores. O prêmio é imediato, mas restrito, pois realiza apenas as satisfações terrenas. É imanente por natureza.
Nesse balé de ilusões furtivas e fugazes, o Absoluto, o Deus Transcendente, é feito como um refém para respaldar ideologias humanas. Ele já não é bem-vindo na história, é permitido apenas dentro de uma fé individual, preso as concepções da moda. Ele tem que se adaptar ao homem e não o contrário. E nessa loucura de conceitos pagãos, inverte-se os papéis e julga-se o Onipotente, desautorizando-O em sua justiça, suportando apenas a sua misericórdia que deve ser aplicada conforme as expectativas dos homens. E neste frenesi de uma fé apenas sensorial, a eternidade só é concebível e desejada se for uma extensão dos nossos sonhos terrenos. Pobre homem próspero.   
O Catecismo da Igreja Católica é nesse instante o único antídoto para neutralizar este veneno do relativismo inoculado em grande parte dos fiéis católico. O contágio em massa aconteceu ao longo de várias gerações alimentadas por doutrinas mais sociológicas que espirituais.  O tratamento para recobrar a sanidade, através da Sã Doutrina, é individual e não se realiza sem dor. A verdade liberta, mas não é fácil. A vacina está ao seu alcance: basta abrir e ler com atenção este manual de capa amarela que nos preserva de tantos males na terra e na eternidade. Desconhecer a Doutrina do Catecismo da Igreja Católica por preguiça, ou negá-la em função de verdades relativas, onde os fins justificam os meios, ascendem aquele fogo que pode trazer transtornos eternos. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pecado, o inimigo número um

(849): O pecado é uma falta contra a razão, a verdade, a reta consciência. É uma falha contra o verdadeiro amor para com Deus e para com o próximo, por causa dum apego perverso a certos bens. Fere a natureza do homem e atenta contra a solidariedade humana. Foi definido como «uma palavra, um ato ou um desejo contrários à Lei eterna».
O Pecado contra Deus é um assunto quase proibido. Se você quer ser rotulado de fundamentalista e descartado no meio de uma conversa, toque no assunto e se sentirá como um leproso no tempo de Jesus. Mas, para o católico em busca da porta estreita, o pecado é o bode no meio da sala, ou melhor, no meio da alma.  
Este bode incomoda e suas investidas podem ser fatal para essa vida e a futura. Alguém precisa tirá-lo de lá, pois o fedor é insuportável e cresce quando se instala. E quem poderia limpar o ambiente? O profeta João Batista aponta com precisão: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo”. (Jo 1, 29)
Jesus é o único que pode retirar o pecado de n…

Ofendemos a quem mesmo?

1850. O pecado é uma ofensa a Deus: «Pequei contra Vós, só contra Vós, e fiz o mal diante dos vossos olhos» (Sl 50, 6). O pecado é contrário ao amor que Deus nos tem e afasta d'Ele os nossos corações. É, como o primeiro pecado, uma desobediência, uma revolta contra Deus, pela vontade de os homens se tornarem «como deuses», conhecendo e determinando o que é bem e o que é mal (Gn 3, 5). Assim, o pecado é «o amor de si próprio levado até ao desprezo de Deus» (Santo Agostinho). Por esta exaltação orgulhosa de si mesmo, o pecado é diametralmente oposto à obediência de Jesus, que realizou a salvação (Cf. Fl 2, 6-9.).
Se não houvesse Deus, o pecado seria apenas uma falha humana entre tantas, de alcance limitado, com consequências terrenas, restritas à vida de quem o cometesse e de suas vítimas. Talvez nem mesmo existiria o termo pecado. Por essa ótica, a responsabilidade do transgressor poderia até se anular em função das circunstâncias psicológicas, culturais, sociais e econômicas que o …